Cláudia Simões

Cláudia Simões construiu uma família na Coopeco

Associada da ASCAM cresceu em um orfanato e encontrou acolhimento entre os colegas da cooperativa

Ela já está acostumada aos chamegos que recebe dos colegas enquanto atravessa o barracão da Coopeco (Cooperativa Ecologicamente Correta de Materiais Recicláveis de Bauru). Por conta disso, Cláudia Simões, de 55 anos, realiza suas tarefas sempre com agilidade e um doce sorriso no rosto. É a marca de satisfação que carrega por ser tão querida.

Cláudia nasceu em Pederneiras, em 1965. Quando pequena, foi levada para a Associação de Proteção à Maternidade e a Criança, em Bauru, onde cresceu brincando com as companheiras, de quem se lembra com carinho. Estudou até a 5ª série e deixou a Associação aos 21 anos, levando consigo apenas as recordações e o sonho de ter uma boa casa e um bom casamento. “Era bom lá, mas a gente cresce”, comenta. No decorrer da vida, casou-se duas vezes e teve 5 filhos, duas das quais, por conta de problemas financeiros, não conseguiu criar.

Apesar de ter sido uma vítima dos próprios sonhos, Cláudia encontrou seu orgulho trabalhando com a reciclagem. Diz que o que mais gosta de fazer é estar todos os dias com as amigas, que a divertem enquanto ela separa os resíduos na esteira. A associada da ASCAM reconhece a importância de sua atuação para a limpeza e o bem-estar da cidade e acredita ser este um dever de toda a população, mesmo que poucos tenham consciência.

“Ela é uma pessoa que te respeita muito. É muito risonha, gosta de trabalhar com o que trabalha. Ela tem um jeito muito simpático de ser”, comenta o colega Duan Soares de Oliveira, de 25 anos

Se um dia fosse presidente do Brasil, Cláudia, que não suporta guerras e mortes, ajudaria as pessoas e conversaria com elas sem utilizar nenhum tipo de violência. A associada prefere viver na paz que finalmente encontrou depois de tanto tempo.

Hoje em dia, o café pela manhã, as cerimônias da igreja e o ofício da reciclagem são as pequenas alegrias que compõem seu cotidiano. São sonhos que a alimentam diariamente e os pilares mais fortes de seu grande palácio.